4.1.11

A Resposta de Timbira



Joaquim Timbira era uma das entidades que se comunicavam freqüentemente nas sessões dos irmãos Xavier.

Companheiro espiritual, simples e bom, estava sempre disposto a auxiliar com a sua experiência nos trabalhos, em favor dos obsidiados.

Houve uma ocasião em que apareceu uma jovem perseguida por diversas entidades da sombra e, à noite, obsessores, em falanges, tomavam-lhe a boca, derramando fel e veneno em forma de palavras...

José doutrinava os visitantes conturbados.

Iam muito e muitos vinham.

E o dirigente conversava, conversava...

Numa das reuniões, Joaquim Timbira incorpora-se no Chico e aconselha:

- José, meu filho, convém ensinar o bom caminho aos irmãos sofredores, entretanto, é preciso doutrinar igualmente a médium.

É necessário que a mocinha estude, compenetrando-se dos seus deveres.

- Mas não será caridade necessária doutrinar os espíritos infelizes?

- Sim, sim...

Então? - insistiu José Xavier - pensa que estou certo, procurando encaminhar à verdade nossos irmãos vitimados pela ignorância e pelo sofrimento. Devem eles ser atendidos em primeiro lugar.

Joaquim Timbira fez uma longa pausa como quem refletia com segurança para responder e considerou:

- José, toda a caridade feita com boa intenção é louvável diante do Céu, mas que será melhor? Curar feridas ou espantar moscas?

E a pergunta do amigo espiritual ficou gravada por valiosa lição.


Livro: Lindos Casos de Chico Xavier
Ramiro Gama


Nenhum comentário: