16.6.17

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE!


Segundo o Evangelho, Jesus teria ensinado que aquele que tivesse fé do tamanho de um grão de mostarda, moveria uma montanha.

Hoje, não apenas espiritualistas afirmam a importância deste atributo da consciência, do espírito, mas, médicos do mundo inteiro levantam debates atestando o papel que a fé e a espiritualidade exercem no processo de cura e recuperação de doenças.

Na verdade, a medicina oriental já vem, há milhares de anos, tratando o homem de forma holística, ao contrário do paradigma atual da medicina no Ocidente, que vê o ser humano como resultado de processos químicos e biológicos.

O corpo é um veículo e quem o dirige é a consciência ou, como muitos dizem, o espírito que nele está encarnado. O espírito preexiste e sobrevive à morte do corpo físico e quando reencarna, traz em seu subconsciente toda a bagagem adquirida em vivências passadas, sejam elas felizes ou dolorosas.

Entre a consciência e o corpo físico existem outros corpos intermediários, mais sutis, além dos centros de força (chakras) responsáveis em fazer a captação de energias provenientes do meio “externo” (fazemos parte do “Todo”, não estamos separados do meio em que vivemos) assim como a circulação e irradiação energética. Quando estas energias não fluem livremente, o corpo adoece. Esta lei é conhecida como psicossomatismo, ou seja, a mente e as emoções influenciam no corpo (e vice-versa).

Para mantermos nosso corpo saudável, além dos cuidados básicos (com alimentação, etc), é preciso buscarmos uma compreensão maior e melhor da vida, assim como o autoconhecimento, evitando o sofrimento desnecessário com os infortúnios pelos quais passamos. Uma mente serena regula a respiração, os batimentos cardíacos e o metabolismo do corpo. E quem consegue viver com serenidade sem fé? O que importa, não é tanto a religião adotada, mas sim, como trabalhamos nossa espiritualidade.

Pesquisas realizadas nos EUA comprovaram que pacientes que receberam preces, mesmo sem saber que estavam recebendo, se recuperaram mais rápido de doenças do que aqueles que não receberam orações. Ou seja, orar por terceiros também produz resultados. Isso fez com que médicos do mundo todo começassem a repensar o papel da religiosidade na vida do paciente, a ponto de discutirem sobre como abordar o assunto na hora do tratamento, sem interferir em suas crenças.

Como vimos, a fé está modificando antigos paradigmas na medicina, ou melhor, está movendo montanhas!

Nós temos potenciais que nem imaginamos. Cabe a nós iniciarmos o processo de autoconhecimento e crescermos em sabedoria, a fim de manifestarmos, cada vez mais, nossa “grandeza divina”.

*Escrito por Victor Rebelo*

Nenhum comentário: