13.11.10

TEMPORÁRIA SEPARAÇÃO


Temporária Separação


Continuando os "desequilíbrios" do Chico, em janeiro de 1920, João Cândido Xavier, seu pai, pediu ao padre que fosse mais exigente com a criança, no confessionário.

O sacerdote concordou com a sugestão...

Quando o vigário lhe ouvia as referências sobre as rápidas entrevistas com Dona Maria João de Deus, desencarnada desde 1915, falou-lhe francamente.

- Não meu filho. Isso não pode ser. Ninguém volta a conversar depois da morte. O demônio procura perturbar-lhe o caminho...

- Mas, padre, foi minha mãe quem veio...

- Foi o demônio.

Severamente repreendido pelo vigário, o menino calou-se, chorando muito.

O Sr. João Cândido Xavier, católico de Santa Luzia do Rio das Velhas deu razão ao padre.

Aquilo só podia ser o demônio.

Chico refugiou-se no carinho da madrasta, alma compreensiva e boa.

E Dona Cidália lhe disse:

- Você não deve chorar, meu filho. Ninguém pode dizer que você esteja perseguido pelo demônio. Se for realmente sua mãezinha quem veio conversar com você, naturalmente isso acontece porque Deus permite. E Deus estando no assunto ajudará para que isso tudo fique esclarecido.

À noite desse dia, Chico sonhou que reencontrava a progenitora.

Dona Maria abraçou-o e recomendou:

- Repito que você deve obedecer a seu pai e ao vigário. Não brigue por minha causa. Por algum tempo você não mais me verá, contudo, se Jesus permitir, mais tarde estaremos mais juntos. Não perca a paciência e esperemos o tempo.

Chico acordou em prantos.

Enxugou os olhos, resignado.

E, por sete anos consecutivos não mais teve qualquer contato pessoal com a mãezinha, para somente receber-lhe as mensagens psicografadas em 1927 e revê-la, de novo, pela vidência mais clara e mais segura, em 1931, quando mais familiarizado com o serviço mediúnico, ao qual se entregara de coração.


Livro: Lindos Casos de Chico Xavier
Ramiro Gama

bjs,soninha

Nenhum comentário: