24.2.11

A MEDIUNIDADE



Para compreendermos onde reside a mediunidade, lembremo-nos de que somos compostos de três elementos: o espírito, o perispírito e o corpo.

O espírito somos nós mesmos. É a nossa individualidade.

É a parte de nós que pensa e sente. É o nosso EU imortal.

O perispírito é um véu fluídico que envolve o espírito e o liga ao corpo durante o tempo da encarnação. É inseparável do espírito e é tanto mais luminoso quanto maior for o adiantamento moral do espírito a que reveste. É invisível para nós no estado normal; porém, pode tornar-se visível, como no caso das materializações e das aparições.

O corpo é o instrumento com o qual o espírito atua no mundo terreno.




Por conseguinte, agora que estamos encarnados possuímos o espírito, o perispírito e o corpo; quando estivermos desencarnados possuiremos o espírito e o perispírito.

O perispírito é o receptor das sensações e o transmisssor delas ao espírito. As sensações físicas são recebidas pelo perispírito através do sistema nervoso de que é dotado nosso corpo. As sensações espirituais recebem-se diretamente pelo perispírito que se irradia através de nosso corpo e o contorna como uma névoa.

Há dois gêneros de mediunidade: a mediunidade de efeitos físicos e a mediunidade de efeitos intelectuais.

A mediunidade de efeitos físicos é a que produz manifestações materiais, tais como: barulhos, deslocamentos de objetos, materializações, transportes, trabalhos manuais, voz direta, etc. Conquanto a voz direta seja uma manifestação intelectual, incluímo-la na classificação de efeitos físicos, porque só por um médium deste gênero ela pode produzir-se.


Materialização de um Espírito através 
do ectoplasma do médium Peixotinho


A mediunidade de efeitos intelectuais produz manifestações inteligentes, a saber: a palavra, a escrita, a inspiração, a intuição, etc.


Psicografia de Chico Xavier:
Mediunidade Intelectual (Iluminada)


O mecanismo da mediunidade de efeitos físicos é o seguinte: o perispírito do médium projeta para o exterior uma emissão fluídica-nervosa; os espíritos se apropriam dessa emissão e a combinam com os seus fluidos magnéticos; adquirem desse modo a força com a qual produzem os fenômenos.

Na mediunidade de efeitos físicos há uma emissão fluídica-nervosa da qual os espíritos se utilizam. Na mediunidade de efeitos intelectuais o organismo do médium é diretamente influenciado pelo perispírito do espírito manifestante. A força nervosa projetada pelo médium e utilizada pelos espíritos, nas manifestações de efeitos físicos, deu-se o nome de ectoplasma.

O mecanismo da mediunidade de efeitos intelectuais é o seguinte: o espírito que se quer comunicar liga seu perispírito ao perispírito do médium e assim influencia o médium que lhe reproduz os pensamentos pela palavra ou pela escrita.

A causa que produz a mediunidade é orgânica-espiritual.

É orgânica porque o sistema nervoso do médium vibra facilmente irradiando pelo perispírito intensa emissão fluídica-nervosa que, combinada com os fluidos magnéticos do espírito manifestante, serve para a produção dos fenômenos de efeitos físicos. Graças também à rapidez dessas vibrações, o perispírito do médium ganha certa liberdade que lhe permite ligar-se ao perispírito do espírito manifestante e, assim, produzir os fenômenos de efeitos intelectuais.

É espiritual porque sem o concurso dos espíritos a mediunidade seria inútil, como seriam inúteis os olhos se não houvesse a luz.

Texto de Eliseu Rigonatti


Nenhum comentário: