10.4.11

Ternura,Uma Lenda Divina




Quando Deus concluiu parte da sua criação e estendeu o seu olhar sobre os homens e os animais,percebeu que havia algo de errado que precisava ser corrigido imediatamente.

Notou, Ele, que os animais detentores de fragmentos de inteligência, se comunicavam numa linguagem onde a harmonia imperava e as emoções estavam envoltas num halo misterioso d'uma luz argêntea que os tornavam únicos. Excetuando o momento em que alguns carnívoros matavam as suas presas para se alimentarem, este enternecimento era a mola propulsora das suas relações.

Os homens?! Ah! estas criaturas nas quais Ele havia se esmerado tanto para que se tornasse mco-criadores na sua grande obra, não manifestavam tal sentimento na maioria dos seus relacionamentos, poupando-o para com os membros da sua Família Universal e esbanjando-o com os seus laços consanguíneos.

Alguns,sequer o manifestavam aos familiares.

A este sentimento que banhava em luz a criação e os seres que deles emanava, Deus batizou com o nome Ternura!

Intrigado com tal disparidade Ele encontrou mais que depressa a solução adequada a fim de que os seres humanos conhecessem com mais propriedade, sentissem no âmago de si mesmos, abraçassem e esbanjassem para com todos, aquele sentimento luz, fonte de todas as relações harmônicas e pacificadas.

Chamando alguns animais a Si, Deus pediu que eles se aproximassem dos seres humanos, cativasse-os e ensinassem, com discrição, para que eles não se sentissem humilhados nem chocados, como cultivar a Ternura embrionária que existia no âmago da sua alma e a esbanjassem sem distinção de raça, credo,ou qualquer outra denominação.E lhes ensinassem também que, quanto mais eles a esbanjassem no seu dia-a-dia com tudo e com todos, ela se renovaria mais e mais com muito mais força e beleza.

Foi assim que a Ternura desabrochou e vingou na alma do ser humano!

Surgiram então os animais domésticos, animais de estimação que conquistaram a alma humana através da sua genuína e peculiar Ternura, possibilitando aos homens um convívio salutar que aos poucos ele foi transferindo para as suas relações humanas.

No entanto, Deus foi procurado por alguns animais que se queixaram de alguns humanos endurecidos que apresentaram leves sinais de que haviam percebido a grandeza daquele sentimento para logo em seguida abandoná-los nas ruas e locais de adoção, indiferentes à sua sorte.

Deus, na sua Eterna sabedoria agradeceu aos animais pelo esforço permeado de carinho que eles empreenderam  e lhes disse que não se preocupassem com aquelas criaturas pois chegaria o dia em que elas voltariam a procurá-los, tocados pelo sentimento que no momento haviam rejeitado .

Os animais entenderam que na obra de Deus há um momento para tudo. Reverenciaram e louvaram ao seu criador, enquanto perambulavam  abandonados pelas ruas, e solitários nas casas de adoção aguardavam que a Ternura se tornasse inquilina permanente na alma dos seres humanos para que eles  pudessem voltar ao convívio com que tanto sonhavam.

BLOGAGEM COLETIVA
TEMA : TERNURA






2 comentários:

orvalho do ceu disse...

Olá, minha flor
Os animaizinhos me inspiram, com efeito, muita ternura, escolheu-os propiciamente... muito delicado o seu post.
Bjs e excelente Domingo com paz e alegria.

Bel Rech disse...

Soninha, não estou participando da blogagem, mas fiquei tão emocionada vendo essa imagem, essa ternura que o macaquinho passava...E a gente se põe a pensar, a refletir sobre tantas coisas fora e dentro de nós...Paz e bem