12.2.11

A Mediunidade e a Bíblia



Há na Bíblia muitos episódios de alto interesse para o estudo do Espiritismo e que nos passam despercebidos.

Vamos lembrar, aqui, um tópico que nos revela muitas coisas sobre a Mediunidade e o mau uso que faziam dela, como ainda fazem, ( ou pelo menos tentam fazer) as pessoas ignorantes de hoje.

Trata-se do 9o.capítulo do Primeiro Livro de Samuel, livro que, entre os católicos, se denomina ( erradamente) Primeiro Livro de Reis.

Havia um fazendeiro chamado Kish, que tinha um filho jovem, belo, de alta estatura, de nome Saul. Das pastagens do fazendeiro sumiram desapareceram umas jumentas e o pai determinou ao filho que tomasse consigo um servo para acompanhá-lo e fossem procurar, pelas vizinhanças, as jumentas sumidas. Em vão procuraram por toda a parte, sem obterem noticias. Já desanimados de tanto vagar inutilmente pelas serras, pensaram em regressar à fazenda, para não causarem preocupações ao fazendeiro pela sua longa ausência; mas, o servo de Saul sabia que, perto dali, na cidade de Suph, havia um famoso vidente chamado Samuel, que talvez lhes pudesse dar informações sobre o paradeiro dos animais. Era a tentativa de empregar para finalidades materiais egoísticas, como certas pessoas ainda tentam fazer hoje.

Combinaram ir ter com Samuel, mas não tinham nada para levar ao vidente. Era costume gratificar com alguma coisa, os médiuns como ainda tentam fazer hoje, embora isto seja severamente proibido. Mas, o criado tinha uma moeda de prata e se prontificou a doá-la a Samuel.

No versículo 9o. vem esta definição muito interessante: ...aquele que hoje se chama profeta se chamava antes vidente.

Foram visitar Samuel, que os recebeu muito bem, deu-lhes hospedagem em sua casa, tranqüilizou-os quanto ao reaparecimento das jumentas, que àquelas horas já tinham sido reencontradas na fazenda e lhes revelou que Saul seria o primeiro rei de Israel. No dia anterior Samuel havia recebido do Alto a comunicação sobre a vinda de Saul e a missão que lhe estava destinada, de ser o primeiro rei de Israel, que, por esse tempo ainda não era reino.

O reinado de Saul está todo repleto de fatos espíritas: ele se desviou de sua missão, caiu em poder de um espírito obsessor, fez a celebre visita a médium de Endor, que se acha relatada no mesmo livro, capítulo 28, vers.8 a 19.Mas tudo isso já é outra história. Por agora só nos interessa lembrar que:

1. A mediunidade era muito conhecida entre os antigos judeus.
2. Chamavam os médiuns de videntes.
3. Consultavam os médiuns sobre os mais diferentes assuntos.
4. Davam presentes aos médiuns.
5. Recebiam dos médiuns instruções religiosas e informações materiais.
6. Tentavam rebaixar a mediunidade à categoria de agências de informações sobre seus interesses imediatos.
7. Os médiuns superiores tratavam de assuntos elevados e da alta administração do estado.
8. O mundo espiritual deferia missões especiais e, nem sempre, o missionário cumpria, fielmente, sua tarefa.
9. Os desvios da missão ocasionavam a perda do missionário, que era substituído por outro ( Saul foi substituído por David).

- O povo acreditava nas mensagens dos videntes, para o bem e para o mal.

Pouco progredimos em 3.500 anos porque, ainda hoje, muita gente procede como os antigos judeus do tempo de Samuel, ou seja, deturpando o verdadeiro objetivo da mediunidade.

Fonte: O Reformador - Lino Teles. 

bjs,soninha

Nenhum comentário: