17.6.11

MEDIUNIDADE: Controle da Mediunidade


CONTROLE DA MEDIUNIDADE

Conquanto se possa, dentro de limites razoáveis, exercer contrôle sôbre os médiuns, desde o início do desenvolvimento, orientando-os moralmente, esclarecendo-os sôbre a maneira mais perfeita de exercerem as faculdades que possuam, ou, noutro sentido, impedindo ou reduzindo ao mínimo as possibilidades de mistificação, de quedas e fracassos, já o mesmo não sucede em relação às faculdades em si mesmas, porque seu domínio nos escapa.

Não há processo algum que se possa empregar, de forma sistemática e ao alcance de todos, que realmente inspire confiança e represente segurança para enfrentar os múltiplos e complexos aspectos que a mediunidade constantemente nos apresenta na prática.

Apesar do avanço extraordinário da ciência e porque este avanço ainda não se deslocou do terreno material, o intercâmbio entre os mundos físicos e hiperfísicos continua a depender inteiramente da faculdade mediúnica e, se o Espiritismo, com a Terceira Revelação, levantou grande parte do velário misterioso que a êsse intercâmbio se opunha, criando um corpo de doutrina perfeito e francamente acessível, nem por isso conseguiu estabelecer condições positivas dêsse contrôle.

Quero dizer que, teóricamente, tudo é compreensível, aceitável, perfeito mas, quanto à prática, quanto à execução, não há ainda elementos seguros e ao alcance de todos que permitam um procedimento comum, sistematizado, “standard”.

Nunca se pode saber com exatidão, qual o caminho a seguir, em partindo de um ponto dado, para atingir outro ponto determinado, com segurança e uniformidade. Há sempre imprevistos, retardamentos ou acelerações, desvios ou flutuações de tôda sorte.

Por mais aprofundados que sejam os estudos ou a observação de determinado problema, surge um momento em que êle nos escapa, foge-nos das mãos, sofre interferências, remonta a planos onde não podemos ter acesso.

Se apurarmos o contrôle em tôrno ao médium, muitas vêzes sucede que a solução passa a depender do Espírito ou Espiritos manifestantes e, se tentamos controlar a êstes, fica-nos o problema ainda mais difícil por impossibilidades que decorrem da diferença de planos ou por carência de elementos objetivos de observação.

E isso sempre sucede de maneira a não podermos afirmar nem negar, por falta de dados positivos, do que resulta ficarmos sempre com o nosso julgamento em suspenso.

E aqueles que, por se julgarem mais argutos ou mais ousados, formularem julgamentos radicais terão o desprazer de verificar, mais hoje mais amanhã,que foram precipitados e cometeram erro.

Não estamos, é claro, nos referindo aos fenômenos, às manifestações dos Espíritos, sôbre os quais estamos seguros, podendo mesmo classificá-los segundo seus aspectos, mas sim à mediunidade em si mesma e às suas manifestações através os médiuns.

Não se venha também, do que fica dito, concluir falsamente que o Espiritismo é um terreno movediço, instável, desorientador —o que todos sabem que não é — mas admitir, isto sim e prudentemente que, quanto à mediunidade, nós constatamos sua existência e utilizamo-la sem contudo possuirmos em mãos as rédeas que a dirigem.



Livro: Mediunidade
autor: Edgard Armond

bjs,soninha

Nenhum comentário: